Home Blog Noticias Milionário americano que tinha rede de prostituição servia a políticos da esquerda americana
Milionário americano que tinha rede de prostituição servia a políticos da esquerda americana

Milionário americano que tinha rede de prostituição servia a políticos da esquerda americana


foto: Reprodução

Com a divulgação na 4ª feira (3.jan.2024) da 1ª lista de documentos mantidos em sigilo sobre o envolvimento de personalidades com Jeffrey Epstein, o caso envolvendo o bilionário acusado de tráfico sexual e abuso de menores voltou a ganhar atenção nos Estados Unidos.

Os documentos citam –embora sem um indicação explícita de ilicitudes– uma proximidade de Epstein com os ex-presidentes dos Estados Unidos Bill Clinton (1993-2001) e Donald Trump (2017-2021) e com o príncipe Andrew, do Reino Unido. Leia a íntegra – PDF – 23,9 MB – em inglês).

Epstein é suspeito de ter comandado, junto à ex-namorada Ghislaine Maxwell, uma rede de exploração e abuso sexual de mulheres, incluindo menores de idade. Ele foi preso em julho de 2019, mas foi encontrado morto na cadeia em agosto do mesmo ano com indícios de suicídio.

QUEM É JEFFREY EPSTEIN

Jeffrey Edward Epstein (1953-2019) nasceu em 20 de janeiro de 1953, em Nova York (EUA). Ele formou-se antes do previsto na Lafayette High School, no Brooklyn, em 1969. Estudou até 1971 na faculdade Cooper Union, em NY, ano em que se transferiu para o Instituto Courant de Ciências Matemáticas da NYU (Universidade de Nova York), onde estudou por 3 anos, mas não se formou.

De acordo com a Britannica, mesmo sem um diploma, Epstein deu aulas de física e matemática de 1974 a 1976 em uma escola particular, a Dalton School, em Manhattan.

Epstein iniciou sua carreira no mercado financeiro logo depois de deixar o cargo de professor. Entrou no banco de investimentos Bear Stearns, onde trabalhou por 4 anos. Em 1981, fundou o próprio fundo financeiro para gerir patrimônios bilionários. Seu 1º cliente foi Les Wexner, dono da Victoria’s Secret.

O bilionário frequentava e promovia festas com personalidades e políticos americanos. Entre os convidados dos eventos realizados na ilha particular de Epstein, Little St. James, estavam figuras como Bill Clinton, Donald Trump, o príncipe Andrew e Bill Gates.

Era comum que ele emprestasse seu jato particular para levar os convidados até a ilha.

A 1ª denúncia veio em 2005. Epstein foi denunciado por estupro pelos pais de uma garota de 14 anos. A família da jovem disse que ela havia sido abusada pelo bilionário em sua casa em Palm Beach, na Flórida. À época, ele disse que a relação era consentida e que não sabia a idade da adolescente.

Uma investigação do FBI identificou outras 36 vítimas, muitas menores de idade. Os advogados de Epstein fecharam um acordo com os promotores em 2008. O bilionário se declarou culpado de duas acusações por solicitar prostituição de menores. Em troca, cumpriu 18 meses de prisão, 13 deles em regime semiaberto, permitindo que trabalhasse normalmente de Palm Beach durante a semana. Também foi obrigado a se registrar como criminoso sexual e a indenizar as vítimas identificadas pelo FBI.

CONDENAÇÃO E MORTE

O empresário voltou ao noticiário policial uma década depois, quando foi novamente preso em 6 de julho de 2019.

Dois dias depois, 8 de julho de 2019, Epstein foi acusado de abuso, tráfico sexual e suborno de menores pelo FBI. À época, os promotores do caso afirmaram que, de 2002 a 2005, ele teria abusado sexualmente de dezenas de jovens e subornado as vítimas para que não falassem a respeito.

Depois da prisão, 12 novas acusações surgiram. Segundo as investigações, Epstein administrava uma rede de tráfico de menores. As jovens eram atraídas para festas e coagidas a chamar outras garotas em troca de dinheiro.

As adolescentes eram aliciadas a fazer massagens no empresário em suas mansões em Nova York e na Flórida, em seu jatinho e em sua ilha, chamada por locais deIlha dos Pedófilos, e forçadas a manter relações sexuais com Epstein e seus convidados.

A ex-namorada de Epstein Ghislaine Maxwell também foi investigada. Segundo as investigações, ela era responsável por ajudar no recrutamento de menores. Algumas das vítimas afirmaram que a socialite britânica também participava dos abusos. Foi condenada em junho de 2021 a 20 anos de cadeia.

Epstein morreu em agosto de 2019, na cadeia. Sua morte foi classificada como suicídio.

RELAÇÕES COM O PODER

Os ex-presidentes norte-americanos Bill Clinton e Donald Trump, e o príncipe Andrew, do Reino Unido, são algumas das personalidades que frequentavam as festas de Epstein.

Trump conhecia Epstein havia anos. Em 2002, em entrevista à New York Magazine, disse que conhecia “Jeff”  há 15 anos e que ele era um ótimo sujeito. Na ocasião, Trump disse: “É muito divertido estar com ele. Dizem que ele gosta de mulheres bonitas tanto quanto eu. E muitas delas são mais jovens.”.

Depois da prisão de Epstein em 2019, Trump declarou que não falava com ele havia 15 anos: “Eu tive um desentendimento com ele. Não era fã, isso posso te dizer.” 

Já o Bill Clinton parece ter visitado Epstein várias vezes. Segundo as investigações, registros de voo indicam que o ele esteve ao menos 26 vezes no avião do bilionário no mesmo período em que os crimes ocorreram, de 2002 a 2005.

Documentos judiciais relacionados ao bilionário divulgados na 3ª feira (3.jan.2024) citam Clinton (saiba mais abaixo)

Um dos trechos dos documentos revelados traz uma frase sobre o ex-presidente norte-americano em que se menciona sua preferência por mulheres “jovens”. A afirmação é de Johanna Sjoberg, uma das possíveis vítimas de Epstein. No entanto, a frase sozinha não diz muito –Clinton nunca foi acusado por crimes relacionados ao empresário.

DOCUMENTOS REVELADOS

Mais de 900 páginas de documentos judiciais sobre o caso foram tornadas públicas, voltando a atenção da mídia para Epstein novamente.

Os documentos fazem parte de um processo movido por uma das vítimas do bilionário contra Maxwell em 2015. O caso foi concluído em 2017, mas o jornal norte-americano Miami Herald entrou na Justiça para ter acesso ao conteúdo dos arquivos, que inicialmente estavam em sigilo. As acusações tinham sido lacradas ou redigidas de modo a ocultar os nomes das vítimas, assim como de outros possíveis abusadores associados a Epstein. 

Em dezembro, a juíza Loretta Preska, de Nova York, ordenou a quebra do sigilo dos documentos depois de considerar que as informações contidas já eram de conhecimento público. 

A lista divulgada na 4ª feira (3.jan) inclui nomes de 184 pessoas ligadas ao bilionário, entre vítimas, parceiros de negócios, amigos e conhecidos. Leia a íntegra do documento (PDF – 23,9 MB).

Havia a expectativa de que os documentos servissem como base para contextualizar a relação das personalidades com Epstein. Porém, a maioria dos nomes e das histórias citadas nos arquivos já era pública. 

Há a expectativa de que novos documentos sejam publicados futuramente.



Source link

Add comment

Sign up to receive the latest updates and news

© 2024 7AppServ - Bons Negócios todos os direitos reservados.